quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Memória - Esporte Rádio Record



MATÉRIA ESPECIAL


AGOSTO TERMINA, MAS A TRISTESA VAI PERMANECER PRA SEMPRE NO RÁDIO ESPORTIVO BRASILEIRO, CHEGOU AO FIM LINDA E MARCANTE HISTÓRIA


A triste notícia no meio esportivo nesse mês de agosto sem dúvida alguma foi o fim de uma importante marca que durava 80 anos, infelizmente a partir da venda para a Igreja Universal em 1990 Rádio Record que já foi um canhão na audiência esportiva e popular nunca mais foi a mesma e tristemente acabou, ou melhor, acabaram com ela.
O Blog resgatou com exclusividade algumas campanhas publicitárias da década de 80. Vejam o que essa importante e agora finada emissora já significou para o rádio esportivo de nosso pais. Essa foi a última grande década do rádio que hoje com exceção de três ou quatro emissoras em São Paulo, está literalmente "capengando" e com a falta de investimento e de visão aumenta a sua crise e fica a cada ano que passa mais fraco.
A primeira campanha mostra que a emissora provavelmente foi a pioneira na transmissão de futebol em Frequencia Modulada, na verdade retransmissão de futebol, já que não tinha equipe própria no rádio.
Na Copa de 1982 na Espanha, o som da transmissão da TV Record que contava com a narração de Sílvio Luiz, comentários de Pedro Luís e repórtagens de Flávio Prado.
O som da tv podia ser ouvido na frequencia tradicional: 1000 Khz e no FM em 89,7 - Hoje frequencia que pertence a Nova FM.





Menos de trê anos depois a Rádio Record ressurgia para brigar diretamente pela audiência com a Rádio Globo que na época tinha o mito Osmar Santos.
Francisco Paes de Barros (hoje diretor da Rádio Capital) era o responsável em montar a equipe que após 16 anos voltava a contar com equipe própria. Oswaldo Maciel que era o segundo na equipe de Osmar foi contratado a peso de ouro e seria o principal narrador, ao seu lado outro nome forte que tembém havia deixado a Globo, Rei, Rei, Rei..Reinaldo Costa.
A matéria foi feita Fábio Rocco Sormani, hoje comentarista e apresentador da Rádio Jovem Pan, que antes passou pela Bandeirantes e pela própria Rádio Record.




Quatro anos depois o sonho da direção em se tornar líder se concretizava, com a chegada do "Pai da matéria, o Garotinho" Osmar Santos finalmente aceitou a proposta milhonária da Record e deixava a Rádio Globo.

Pouco tempo depois a emissora desbancava a concorrente e chegava a liderança no rádio esportivo em São Paulo.


Com a venda da TV e Rádio Record em 1990 o fim dessa grande década de ouro e a marca de um grande prefixo no rádio começava a se dezimar.
Edir Macedo, novo proprietário e dono da Igreja Universal do Reino de Deus começou a se desfazer dos bons profissionais e anos depois virou totalmente evangélica. Fato que durou quase 10 anos até a emissora tentar novamente retornar com força ao esporte com uma boa equipe, porém a tradição não existia mais e apesar de investimentos onde nomes fortes da concorrência foram contratados: Dirceu Maravilha, Fábio Sormani , Alex Muller e Ricardo Capriotti vieram da Rádio Bandeirantes e Paulo Roberto Martins e Gustavo Villani da Rádio Globo, mas a audiência e as vendas não reagiram.
A última cartada aconteceu em janeiro de 2009, as transmissões esportivas passaram a ser feitas pela equipe de Éder Luiz, mas a Record era apenas retransmissora das jornadas esportivas da Transamérica FM (Que tem outra linguagem, mas jovem e descontraída) e mesmo com bons profissionais, não emplacou.
A imagem da emissora ainda associada a IURD que decidiu de vez acabar de vez com a programação popular e principalmente a esportiva que nos anos 80 proporcionaram tantas felicidas e milhões de ouvintes e torcedores.
Infelizmente o que foi bom e marcou uma época (canhão do rádio esportivo) durou pouco, uma pena.


Anderson Cheni
Fonte e Fotos: Acervo Revista Placar
Colaboração - Jonny Nastri - Vitrine das Ideias
e blog docheni em campo

Nenhum comentário:

Postar um comentário