segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Justiça Federal determina fechamento de rádios em Marília

A Justiça Federal pediu a interrupção imediata do sinal das duas rádios de Marília (SP) investigadas pelo Ministério Público Federal por irregularidades em contratos de prestação de serviços. As rádios Clube Marília e Itaipu tiveram o sinal de transmissão interrompido na sexta-feira (8).
O pedido da interrupção das atividades foi feito na ação do MPF que aponta irregularidades no contrato entre as rádios e a empresa Estúdio DM LTDA, que tem como proprietária Daniele Alonso, filha do prefeito de Marília, Daniel Alonso.
 
 
De acordo com as informações da ação do MPF, em março deste ano, a filha de Alonso fechou contrato de um ano, arrendando horários de transmissão com as duas rádios. No total, foram arrendados 11 horas de transmissão, para que a empresa Estúdio D.M. LTDA fizesse a produção de programas jornalísticos e comerciais no valor de R$ 288 mil.
 
Porém, para o Ministério Público Federal, esse tipo de arrendamento é ilegal, já que meios de comunicação precisam de autorização do governo federal e do Ministério das Comunicações para funcionar. Então, para existir um contrato desse tipo, as rádios teriam que ter aberto uma licitação e comunicado o governo federal, o que não teria acontecido.
 
 
A empresária Daniele Alonso negou ter feito qualquer tipo de arrendamento, ela disse que apenas adquiriu espaço na programação das rádios.
 
“A Estúdio DM tem compra de horários das rádios Itaipu e Clube, então com essas compra de horário a gente tem direito da produção, da programação das rádios, não existe nenhum tipo de arrendamento ou compra das rádios, até porque isso não é permitido pelas concessões das rádios, afirma.
 
 
Fonte: G1